Vendas: (16) 3605 5599      0800 885 7600

Tuberculose: longe de ser passado


Data: 18/03/2019

Tuberculose: longe de ser passado

Saiba mais sobre a doença que ainda é um problema da saúde pública no Brasil

Dia 24 de março éo Dia Mundial da Tuberculose e aproveitamos o tema para falar sobre essa doença que é um sério problema da saúde pública no Brasil, com profundas raízes sociais. 

A data foi escolhida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) por corresponder à descoberta do bacilo causador da doença por Robert Koch, em 1882. A bactéria Mycobacterium tuberculosis (também conhecida como bacilo de Koch) é responsável pela
doença.


A tuberculose é uma doença antiga, mas infelizmente está longe de ser passado. No Brasil, a cada ano, são notificados aproximadamente 70 mil novos casos e ocorrem cerca de 4,5 mil mortes em decorrência da tuberculose.

A doença é infecciosa e transmissível. O contágio ocorre pelo ar, com as gotículas que são expelidas com a tosse, a fala ou o espirro de uma pessoa infectada. Após sua entrada no organismo, os bacilos se alojam nos pulmões e se multiplicam. Depois, podem se disseminar para outras partes do corpo, por meio do sangue, e contaminar ossos, cérebro e rins.

A tuberculose só é contagiosa quando presente nos pulmões. Quando presente apenas em outras partes do corpo, em geral, não é transmissível.

As reações dependem do local em que os bacilos se alojam no organismo. Como na grande maioria dos casos a tuberculose ataca os pulmões, os principais sinais e sintomas são:
- Tosse por mais de duas semanas
- Dor no peito
- Escarro com sangue
- Debilidade ou fadiga
- Perda de peso
- Falta de apetite
- Calafrios, febre e suor noturno

As formas extrapulmonares são mais raras e podem afetar qualquer órgão ou tecido. Elas ocorrem com maior frequência em crianças e indivíduos infectados com HIV.

O paciente deve ser tratado com antibióticos e a cura leva em média seis meses. De maneira geral, os remédios conseguem curar mesmo os casos mais avançados de tuberculose. O problema está na longa duração do tratamento, pois muitos pacientes começam a se sentir melhor e param de tomar os medicamentos antes que todas as bactérias tenham sido eliminadas do organismo.

Com o início do tratamento, a transmissão tende a diminuir gradativamente e, em geral, após 15 dias de tratamento, ela encontra-se muito reduzida.
Mas o ideal é que as medidas de controle sejam implantadas até que haja a negativação da baciloscopia, tais como cobrir a boca com o braço ou lenço ao tossir, manter o ambiente bem ventilado e com bastante luz solar. O bacilo é sensível à luz solar, e a circulação de ar possibilita a dispersão de partículas infectantes.

Para evitar a contaminação, a primeira medida é evitar o contato com pessoas infectadas. Além disso, a vacina BCG, obrigatória para as crianças, previne as formas graves da tuberculose, porém, ela não consegue impedir o contágio caso haja contato muito próximo com um indivíduo doente.




Home
Notícias